sexta-feira, 1 de novembro de 2019

PF aciona Interpol e diz não saber se derramamento de óleo foi proposital
A PF (Polícia Federal) informou hoje que solicitou a cooperação internacional de cinco países para ajudar nas investigações
sobre o navio grego apontado nas investigações como responsável pelo derramamento de óleo no mar que atinge o Nordeste desde 30 de agosto. Apesar de chegarem ao local e dia provável do ocorrido, ainda não se sabem as circunstâncias do incidente. "Nós temos o local, a data e indícios suficientes de autoria. Faltam ainda detalhes das circunstâncias. A investigação está em andamento para saber se foi um vazamento ou derramamento proposital", diz o delegado federal Agostinho Cascardo, um dos responsáveis pela investigação no Rio Grande do Norte.
O local apontado pela PF fica a pouco mais de 700 km da costa da Paraíba. "Temos imagens que mostram que no dia 28 [de julho] não tinha a mancha, e no dia 29 havia. Então ela surgiu nesse período", diz. A embarcação Bouboulina tem capacidade para cerca de 80 mil toneladas de óleo, e o derramamento flagrado pelas imagens de satélite deve ser em quantidade bem menor que a capacidade máxima.
"A investigação usou 826 imagens até chegar à imagem conclusiva. Mandamos à Marinha, que confirmou que apenas o navio grego poderia ter despejado [o óleo]", diz. A PF cumpriu hoje mandados de busca e apreensão contra as empresas Lachmann Agência Marítima e Witt O´Brien´s, localizadas no centro do Rio de Janeiro, ligadas à Delta Tankers, companhia dona do navio mercante Bouboulina. O delegado informou que os mandados já foram cumpridos no Rio de Janeiro. "Uma empresa é representante comercial dessa empresa e a outra presta consultoria. Elas não são suspeitas, queremos dados para ajudar na investigação", afirma. O delegado informou que já enviou pedido oficial à Interpol para que cinco países colaborem na investigação, entretanto, ele não quis revelar quais são os países. "Existem informações que precisamos manter em sigilo para evitar destruição de provas", explica. Da Venezuela rumo a Singapura "A embarcação, de bandeira grega, atracou na Venezuela em 15 de julho, permaneceu por três dias e seguiu rumo a Singapura, pelo oceano Atlântico, vindo a aportar apenas na África do Sul. O derramamento investigado teria ocorrido nesse deslocamento", informou a PF.
Na investigação, de acordo com a PF, ficou claro que o sistema de rastreamento da embarcação confirmou a passagem pelo ponto de origem do vazamento, após ter atracado na Venezuela. O navio suspeito, informou a Marinha, ficou detido nos Estados Unidos por quatro dias, devido a "incorreções de procedimentos operacionais no sistema de separação de água e óleo para descarga no mar". Mas não há informação se isso ocorreu antes ou depois do vazamento. Segundo a PF, a operação foi denominada "Mácula" pois a palavra significa sujeira e impureza. Milhares de toneladas de material poluente já foram retiradas das praias brasileiras.
Fonte: SIte de Noticias UOL

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é monitorado por tanto cuidado com o que escreve.

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNINTA

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNINTA

APAE SOBRAL

APAE SOBRAL

2019.2

2019.2

AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E MARKETING

AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E MARKETING

:: Confira abaixo, as Mais Lidas da Semana ::